10.11.06

Dois cabelos no deserto - Um programa para levantar cabelo - 2º programa

3 comentários:

Alexª disse...

Sempre me pareceu que havia uma certa confusão com esse conceito de «artesanato». Julgo que o artesanato nos Açores deve repensar (ou pensar profundamente) o caminho a seguir. Porque coloco a questão?
Tenho-me confrontado muitas vezes com objectos manufacturados ou até mesmo outros cuja produção é feita industrialmente e que , certamente, que não fazem parte desssa categoria... mas que facilmente se confundem...
O artesanato Açoriano, a continuar a sua existência (existe realmente em raras excepções) deveria de renovar-se pela linguagem e formalização aproveitando os processos de produção tradicionais. Este assunto levar-me -ia a falar durante horas e não quero ser chata.
Parabéns pelo Rotas... um destes dias visito-vos.

Mário disse...

Acho que é imporante falar sobre as coisa. Haver predisposição para o diálogo, haver abertura para permitir novas ideias. Neste sentido é que eu felicito o artesanato açoriano. E tens razão quanto a esse artesanato feito em série. Só que o aproveitamento das novas tecnologias não implica necessariamente uma fuga aos métodos tradicionais. Beijinhos. Fico à tua espera.

Alexª disse...

Sem dúvida Mário e a minha critica não foi dirigida à vossa informação. Pareceu-me oportuno referir que existem confusões nesse meio. O que é uma pena.
Quanto à actualização pois, não deixo de concordar nem acho que ponha em causa o artesanato. Só o coloca em causa quando ele ñão existe.
:))))))))))