10.11.06

Conversas no sofa - com o psiquiatra Jose Luis Pio Abreu autor do livro "Como tornar-se doente mental"




Como tornar-se doente mental. Coimbra: Quarteto, 2001; 2002; 2003.

Este livro explica como adquirir uma doença psiquiátrica. É uma tentativa desesperada de contribuir para a saúde mental das pessoas, uma vez admitida a ineficácia de milhares de livros que ensinam tratamentos e regras de vida saudável. Ao assumir este projecto, o autor aceita os surpreendentes desígnios da inteligência humana.
O leitor interessado encontra aqui uma ampla variedade de doenças mentais, com os seus critérios diagnósticos, e uma detalhada explicação do modo de atingir esses objectivos. Tudo coisas fáceis, porque difícil é o tratamento, e mais difícil, ainda, é manter-se saudável no meio desta complicada civilização consumista.

2 comentários:

João Pacheco de Melo disse...

A pergunta inicial - sobre os malucos - tinha uma esposta óbvia. Tipo: Olhando aqui para a dieita já vejo um.
Bom. E se o entrevistado fosse visitante habitual do blog até poderia ir mais longe. Assim por exemplo:
E dias há - sextas de manhã por exemplo - que malucos e doidos varridos passam por aqui aos pares.

Ana disse...

deixando de brincadeiras, porque o tema da loucura até pode ser ironizado mas o tema de saude mental, deveria, pelo menos ser levado bem a serio.
Eu só consigo conceber um tipo de livro com semelhante conteudo, como uma tentativa desesperada de abordar uma questão, da qual, se pensou algum dia saber alguma coisa, e que por fim, se concluiu pouco saber.
Sinceramente, pensei que fosse a brincar, o livro. Pois já o folhe-ei na livraria...e quizá seja uma pessoa desprovida de sentido de humor...agora, defenitivamente, sem a menor margem de duvida, não foi feito para ajudar alguem com a chamada "doença psiquiátrica".
Uma leitura para loucos, quizás...
Mas tambem, quero acrescentar uma coisa. Acho não ser preciso nenhum livro para que alguem se torne un doente psiquiátrico. E digo sinceramente, acho que se alguem realmente soubesse como lá se chega, facilmente saberia o caminho de regresso...e isso não e assim. Não fossem as estatisticas a apontar as crecentes taxas de doenças mentais...e os psiquiatras...acho que pobres vão à nora.